Judas Romance lirico em quatro jornadas
Free

Judas Romance lirico em quatro jornadas

By Augusto de Lacerda
Free
Book Description
Table of Contents
  • JUDAS
  • PRIMEIRA JORNADA
    • EM 8 DE NISAN
    • PRIMEIRA JORNADA
      • EM 8 DE NISAN
        • GAMALIEL, que chegou da cidade, arrimado ao seu bordão, as barbas brancas doiradas pelo sol, dirige-se á casa de Simão, e, clamando:
        • ELEAZAR assomou logo a uma das janellas. É um rapaz de vinte e tantos annos, franzino e melancólico.
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR, estremecendo
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR, com o olhar vago:
        • GAMALIEL, que enxugára á manga da tunica uma santa lagrima de enthusiasmo civico:
        • ELEAZAR, suggestionado pelas palavras do velho:
        • GAMALIEL, n'um clarão de esperança:
        • MARIA, que tinha saído de casa e que ouviu as ultimas palavras:
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR
        • MARIA
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR
        • MARIA
        • ELEAZAR
        • MARIA
        • ELEAZAR
        • GAMALIEL, ao ouvido de Eleazar, aproveitando o ensejo dado por Maria, que foi sentar-se junto da fonte:
        • ELEAZAR, com o intuito de afastar o negro pensamento, que a todos trez opprime no intimo:
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR, abeirando-se muito a elle, supplicante:
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR, saúdando-o:
        • GAMALIEL, saúdando-o:
        • ELEAZAR sentou-se no tronco d'arvore, pensando; e, como respondendo aos proprios pensamentos:
        • MARTHA
        • ELEAZAR
        • MARTHA
        • SIMÃO
        • MARIA, em longa abstracção, junto da fonte, como se ninguem a ouvisse:
        • SIMÃO, chasqueando-a, mas com meiguice:
        • MARIA, com amargo sorriso:
        • MARTHA encostada ao hombro do irmão, que se conserva sentado:
        • SIMÃO
        • ELEAZAR
        • MARTHA
        • ELEAZAR sorrindo contrafeito:
        • MARTHA picada no seu amor proprio:
        • ELEAZAR condescendente:
        • MARTHA
        • ELEAZAR
        • MARIA em longa abstração, como se ninguem a ouvisse:
        • ELEAZAR perseguido pelo olhar inquiridor de Martha:
        • MARTHA afastando-se logo com muito despeito:
        • SIMÃO que de parte estivera rindo dos dois:
        • ELEAZAR
        • SIMÃO
        • ELEAZAR
        • SIMÃO
        • ELEAZAR ás irmãs:
        • MARTHA, deixando explodir o seu despeito:
        • ELEAZAR beijando-a á viva força:
        • MARTHA foi á beira da estrada e segue-os com o olhar. Depois, appreensiva, com vago receio:
        • MARIA em longa abstracção, como se ninguem a ouvisse:
        • MARTHA que lançou para longe a tristeza, despertada pelo cantar mais proximo d'uma cotovia.
        • MARIA
        • MARTHA com o cotovello apoiado no joelho de Maria, o olhar limpido erguido para o olhar da irmã:
        • MARIA desculpando-os:
        • MARTHA
        • MARIA com frieza, como a da corrente d'agua que entre os seus dedos vae deslisando:
        • MARTHA
        • MARIA
        • MARTHA
        • CLAUDIA em tom faceto de cortezã affeita ao jogo de gracejos nos triclinios de má nota da velha Roma:
        • MARTHA muito a mêdo:
        • CLAUDIA
        • MARIA por entre dentes:
        • CLAUDIA
        • MARIA fitando-a resoluta, mas serena:
        • CLAUDIA deixando cair as palavras uma a uma, como gôtas de chumbo derretido:
        • MARIA muito vexada pela insultante benevolencia de Claudia:
        • CLAUDIA victoriosa pelo effeito que o perdão causou no animo independente da patriotica filha d'Israel:
        • MARTHA supplicante ao ouvido da irmã, que ia responder:
        • CLAUDIA rindo, satisfeita, feliz:
        • A ESCRAVA GEDA ajudando-a a accomodar-se nas almofadas da liteira:
        • CLAUDIA
        • O CENTURIÃO AMPÍO ao sequito:
        • CLAUDIA
        • MARIA
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ, timido, covarde, circumvagando o olhar:
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM velhacamente, animando-o:
        • JOSUÉ unctuosamente:
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ com desinteresse hypocrita:
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM acceitando-os e juntando-os aos seus:
        • JOSUÉ
        • BENJAMIM
        • JOÃO resfolegando:
        • MATHEUS
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA, com o braço direito sobre o hombro de Eleazar, n'uma intimidade muito amiga:
        • ELEAZAR descrente, mas muito timido, querendo occultar o que lhe vae n'alma:
        • SIMÃO PEDRA
        • ELEAZAR, quasi a medo:
        • SIMÃO PEDRA
        • ELEAZAR, depois de grande hesitação:
        • SIMÃO PEDRA
        • ELEAZAR
        • JOÃO que se erguera, rapido e violento:
        • JUDAS
        • JOÃO muito secco e terminante:
        • ELEAZAR ao ouvido de Simão Pedra:
        • SIMÃO PEDRA triste e confidencial:
        • JUDAS amarga, mas serenamente, depois de ter meditado por algum tempo:
        • MATHEUS conciliadôr:
        • JUDAS
        • MARTHA, assomando a uma das janellas, n'uma risadinha infantil:
        • SIMÃO PEDRA, aproveitando a inconsciente intervenção de Martha
        • MARTHA
        • SIMÃO PEDRA
        • MARTHA intimativamente, retirando-se da janella:
        • JOÃO a Matheus e a Eleazar, continuando a conversa interrompida e n'um tom de voz inaudivel para Judas:
        • SIMÃO PEDRA que se reunira aos tres, carregando o semblante:
        • JOÃO em tom leviano:
        • SIMÃO PEDRA, que não poude reprimir um sobresalto, tornando-se ainda mais severo:
        • ELEAZAR conciliador:
        • MATHEUS detendo Simão Pedra, que ia para entrar em casa do Leproso:
        • JOÃO repêso, meigo, supplicante:
        • SIMÃO PEDRA sorrindo, afinal, benevolo:
        • JOÃO abraçando-o effusivamente:
        • MATHEUS
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA detendo-o e apontando para Judas, que nada ouviu do que se passára:
        • JOÃO com bonhomía:
        • JUDAS olhando lealmente para elle e com um sorriso de reconciliado:
        • JUDAS solta um suspiro, e erguendo o olhar, expandindo a sua alma:
      • GAMALIEL, que chegou da cidade, arrimado ao seu bordão, as barbas brancas doiradas pelo sol, dirige-se á casa de Simão, e, clamando:
      • ELEAZAR assomou logo a uma das janellas. É um rapaz de vinte e tantos annos, franzino e melancólico.
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, estremecendo
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, com o olhar vago:
      • GAMALIEL, que enxugára á manga da tunica uma santa lagrima de enthusiasmo civico:
      • ELEAZAR, suggestionado pelas palavras do velho:
      • GAMALIEL, n'um clarão de esperança:
      • MARIA, que tinha saído de casa e que ouviu as ultimas palavras:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • MARIA
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • MARIA
      • ELEAZAR
      • MARIA
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL, ao ouvido de Eleazar, aproveitando o ensejo dado por Maria, que foi sentar-se junto da fonte:
      • ELEAZAR, com o intuito de afastar o negro pensamento, que a todos trez opprime no intimo:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, abeirando-se muito a elle, supplicante:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, saúdando-o:
      • GAMALIEL, saúdando-o:
      • ELEAZAR sentou-se no tronco d'arvore, pensando; e, como respondendo aos proprios pensamentos:
      • MARTHA
      • ELEAZAR
      • MARTHA
      • SIMÃO
      • MARIA, em longa abstracção, junto da fonte, como se ninguem a ouvisse:
      • SIMÃO, chasqueando-a, mas com meiguice:
      • MARIA, com amargo sorriso:
      • MARTHA encostada ao hombro do irmão, que se conserva sentado:
      • SIMÃO
      • ELEAZAR
      • MARTHA
      • ELEAZAR sorrindo contrafeito:
      • MARTHA picada no seu amor proprio:
      • ELEAZAR condescendente:
      • MARTHA
      • ELEAZAR
      • MARIA em longa abstração, como se ninguem a ouvisse:
      • ELEAZAR perseguido pelo olhar inquiridor de Martha:
      • MARTHA afastando-se logo com muito despeito:
      • SIMÃO que de parte estivera rindo dos dois:
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • ELEAZAR ás irmãs:
      • MARTHA, deixando explodir o seu despeito:
      • ELEAZAR beijando-a á viva força:
      • MARTHA foi á beira da estrada e segue-os com o olhar. Depois, appreensiva, com vago receio:
      • MARIA em longa abstracção, como se ninguem a ouvisse:
      • MARTHA que lançou para longe a tristeza, despertada pelo cantar mais proximo d'uma cotovia.
      • MARIA
      • MARTHA com o cotovello apoiado no joelho de Maria, o olhar limpido erguido para o olhar da irmã:
      • MARIA desculpando-os:
      • MARTHA
      • MARIA com frieza, como a da corrente d'agua que entre os seus dedos vae deslisando:
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • CLAUDIA em tom faceto de cortezã affeita ao jogo de gracejos nos triclinios de má nota da velha Roma:
      • MARTHA muito a mêdo:
      • CLAUDIA
      • MARIA por entre dentes:
      • CLAUDIA
      • MARIA fitando-a resoluta, mas serena:
      • CLAUDIA deixando cair as palavras uma a uma, como gôtas de chumbo derretido:
      • MARIA muito vexada pela insultante benevolencia de Claudia:
      • CLAUDIA victoriosa pelo effeito que o perdão causou no animo independente da patriotica filha d'Israel:
      • MARTHA supplicante ao ouvido da irmã, que ia responder:
      • CLAUDIA rindo, satisfeita, feliz:
      • A ESCRAVA GEDA ajudando-a a accomodar-se nas almofadas da liteira:
      • CLAUDIA
      • O CENTURIÃO AMPÍO ao sequito:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ, timido, covarde, circumvagando o olhar:
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM velhacamente, animando-o:
      • JOSUÉ unctuosamente:
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ com desinteresse hypocrita:
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM acceitando-os e juntando-os aos seus:
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOÃO resfolegando:
      • MATHEUS
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA, com o braço direito sobre o hombro de Eleazar, n'uma intimidade muito amiga:
      • ELEAZAR descrente, mas muito timido, querendo occultar o que lhe vae n'alma:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR, quasi a medo:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR, depois de grande hesitação:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR
      • JOÃO que se erguera, rapido e violento:
      • JUDAS
      • JOÃO muito secco e terminante:
      • ELEAZAR ao ouvido de Simão Pedra:
      • SIMÃO PEDRA triste e confidencial:
      • JUDAS amarga, mas serenamente, depois de ter meditado por algum tempo:
      • MATHEUS conciliadôr:
      • JUDAS
      • MARTHA, assomando a uma das janellas, n'uma risadinha infantil:
      • SIMÃO PEDRA, aproveitando a inconsciente intervenção de Martha
      • MARTHA
      • SIMÃO PEDRA
      • MARTHA intimativamente, retirando-se da janella:
      • JOÃO a Matheus e a Eleazar, continuando a conversa interrompida e n'um tom de voz inaudivel para Judas:
      • SIMÃO PEDRA que se reunira aos tres, carregando o semblante:
      • JOÃO em tom leviano:
      • SIMÃO PEDRA, que não poude reprimir um sobresalto, tornando-se ainda mais severo:
      • ELEAZAR conciliador:
      • MATHEUS detendo Simão Pedra, que ia para entrar em casa do Leproso:
      • JOÃO repêso, meigo, supplicante:
      • SIMÃO PEDRA sorrindo, afinal, benevolo:
      • JOÃO abraçando-o effusivamente:
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA detendo-o e apontando para Judas, que nada ouviu do que se passára:
      • JOÃO com bonhomía:
      • JUDAS olhando lealmente para elle e com um sorriso de reconciliado:
      • JUDAS solta um suspiro, e erguendo o olhar, expandindo a sua alma:
    • EM 8 DE NISAN
      • GAMALIEL, que chegou da cidade, arrimado ao seu bordão, as barbas brancas doiradas pelo sol, dirige-se á casa de Simão, e, clamando:
      • ELEAZAR assomou logo a uma das janellas. É um rapaz de vinte e tantos annos, franzino e melancólico.
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, estremecendo
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, com o olhar vago:
      • GAMALIEL, que enxugára á manga da tunica uma santa lagrima de enthusiasmo civico:
      • ELEAZAR, suggestionado pelas palavras do velho:
      • GAMALIEL, n'um clarão de esperança:
      • MARIA, que tinha saído de casa e que ouviu as ultimas palavras:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • MARIA
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • MARIA
      • ELEAZAR
      • MARIA
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL, ao ouvido de Eleazar, aproveitando o ensejo dado por Maria, que foi sentar-se junto da fonte:
      • ELEAZAR, com o intuito de afastar o negro pensamento, que a todos trez opprime no intimo:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, abeirando-se muito a elle, supplicante:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR, saúdando-o:
      • GAMALIEL, saúdando-o:
      • ELEAZAR sentou-se no tronco d'arvore, pensando; e, como respondendo aos proprios pensamentos:
      • MARTHA
      • ELEAZAR
      • MARTHA
      • SIMÃO
      • MARIA, em longa abstracção, junto da fonte, como se ninguem a ouvisse:
      • SIMÃO, chasqueando-a, mas com meiguice:
      • MARIA, com amargo sorriso:
      • MARTHA encostada ao hombro do irmão, que se conserva sentado:
      • SIMÃO
      • ELEAZAR
      • MARTHA
      • ELEAZAR sorrindo contrafeito:
      • MARTHA picada no seu amor proprio:
      • ELEAZAR condescendente:
      • MARTHA
      • ELEAZAR
      • MARIA em longa abstração, como se ninguem a ouvisse:
      • ELEAZAR perseguido pelo olhar inquiridor de Martha:
      • MARTHA afastando-se logo com muito despeito:
      • SIMÃO que de parte estivera rindo dos dois:
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • ELEAZAR ás irmãs:
      • MARTHA, deixando explodir o seu despeito:
      • ELEAZAR beijando-a á viva força:
      • MARTHA foi á beira da estrada e segue-os com o olhar. Depois, appreensiva, com vago receio:
      • MARIA em longa abstracção, como se ninguem a ouvisse:
      • MARTHA que lançou para longe a tristeza, despertada pelo cantar mais proximo d'uma cotovia.
      • MARIA
      • MARTHA com o cotovello apoiado no joelho de Maria, o olhar limpido erguido para o olhar da irmã:
      • MARIA desculpando-os:
      • MARTHA
      • MARIA com frieza, como a da corrente d'agua que entre os seus dedos vae deslisando:
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • CLAUDIA em tom faceto de cortezã affeita ao jogo de gracejos nos triclinios de má nota da velha Roma:
      • MARTHA muito a mêdo:
      • CLAUDIA
      • MARIA por entre dentes:
      • CLAUDIA
      • MARIA fitando-a resoluta, mas serena:
      • CLAUDIA deixando cair as palavras uma a uma, como gôtas de chumbo derretido:
      • MARIA muito vexada pela insultante benevolencia de Claudia:
      • CLAUDIA victoriosa pelo effeito que o perdão causou no animo independente da patriotica filha d'Israel:
      • MARTHA supplicante ao ouvido da irmã, que ia responder:
      • CLAUDIA rindo, satisfeita, feliz:
      • A ESCRAVA GEDA ajudando-a a accomodar-se nas almofadas da liteira:
      • CLAUDIA
      • O CENTURIÃO AMPÍO ao sequito:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ, timido, covarde, circumvagando o olhar:
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM velhacamente, animando-o:
      • JOSUÉ unctuosamente:
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ com desinteresse hypocrita:
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM acceitando-os e juntando-os aos seus:
      • JOSUÉ
      • BENJAMIM
      • JOÃO resfolegando:
      • MATHEUS
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA, com o braço direito sobre o hombro de Eleazar, n'uma intimidade muito amiga:
      • ELEAZAR descrente, mas muito timido, querendo occultar o que lhe vae n'alma:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR, quasi a medo:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR, depois de grande hesitação:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR
      • JOÃO que se erguera, rapido e violento:
      • JUDAS
      • JOÃO muito secco e terminante:
      • ELEAZAR ao ouvido de Simão Pedra:
      • SIMÃO PEDRA triste e confidencial:
      • JUDAS amarga, mas serenamente, depois de ter meditado por algum tempo:
      • MATHEUS conciliadôr:
      • JUDAS
      • MARTHA, assomando a uma das janellas, n'uma risadinha infantil:
      • SIMÃO PEDRA, aproveitando a inconsciente intervenção de Martha
      • MARTHA
      • SIMÃO PEDRA
      • MARTHA intimativamente, retirando-se da janella:
      • JOÃO a Matheus e a Eleazar, continuando a conversa interrompida e n'um tom de voz inaudivel para Judas:
      • SIMÃO PEDRA que se reunira aos tres, carregando o semblante:
      • JOÃO em tom leviano:
      • SIMÃO PEDRA, que não poude reprimir um sobresalto, tornando-se ainda mais severo:
      • ELEAZAR conciliador:
      • MATHEUS detendo Simão Pedra, que ia para entrar em casa do Leproso:
      • JOÃO repêso, meigo, supplicante:
      • SIMÃO PEDRA sorrindo, afinal, benevolo:
      • JOÃO abraçando-o effusivamente:
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA detendo-o e apontando para Judas, que nada ouviu do que se passára:
      • JOÃO com bonhomía:
      • JUDAS olhando lealmente para elle e com um sorriso de reconciliado:
      • JUDAS solta um suspiro, e erguendo o olhar, expandindo a sua alma:
    • GAMALIEL, que chegou da cidade, arrimado ao seu bordão, as barbas brancas doiradas pelo sol, dirige-se á casa de Simão, e, clamando:
    • ELEAZAR assomou logo a uma das janellas. É um rapaz de vinte e tantos annos, franzino e melancólico.
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR, estremecendo
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR, com o olhar vago:
    • GAMALIEL, que enxugára á manga da tunica uma santa lagrima de enthusiasmo civico:
    • ELEAZAR, suggestionado pelas palavras do velho:
    • GAMALIEL, n'um clarão de esperança:
    • MARIA, que tinha saído de casa e que ouviu as ultimas palavras:
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR
    • MARIA
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR
    • MARIA
    • ELEAZAR
    • MARIA
    • ELEAZAR
    • GAMALIEL, ao ouvido de Eleazar, aproveitando o ensejo dado por Maria, que foi sentar-se junto da fonte:
    • ELEAZAR, com o intuito de afastar o negro pensamento, que a todos trez opprime no intimo:
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR, abeirando-se muito a elle, supplicante:
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR, saúdando-o:
    • GAMALIEL, saúdando-o:
    • ELEAZAR sentou-se no tronco d'arvore, pensando; e, como respondendo aos proprios pensamentos:
    • MARTHA
    • ELEAZAR
    • MARTHA
    • SIMÃO
    • MARIA, em longa abstracção, junto da fonte, como se ninguem a ouvisse:
    • SIMÃO, chasqueando-a, mas com meiguice:
    • MARIA, com amargo sorriso:
    • MARTHA encostada ao hombro do irmão, que se conserva sentado:
    • SIMÃO
    • ELEAZAR
    • MARTHA
    • ELEAZAR sorrindo contrafeito:
    • MARTHA picada no seu amor proprio:
    • ELEAZAR condescendente:
    • MARTHA
    • ELEAZAR
    • MARIA em longa abstração, como se ninguem a ouvisse:
    • ELEAZAR perseguido pelo olhar inquiridor de Martha:
    • MARTHA afastando-se logo com muito despeito:
    • SIMÃO que de parte estivera rindo dos dois:
    • ELEAZAR
    • SIMÃO
    • ELEAZAR
    • SIMÃO
    • ELEAZAR ás irmãs:
    • MARTHA, deixando explodir o seu despeito:
    • ELEAZAR beijando-a á viva força:
    • MARTHA foi á beira da estrada e segue-os com o olhar. Depois, appreensiva, com vago receio:
    • MARIA em longa abstracção, como se ninguem a ouvisse:
    • MARTHA que lançou para longe a tristeza, despertada pelo cantar mais proximo d'uma cotovia.
    • MARIA
    • MARTHA com o cotovello apoiado no joelho de Maria, o olhar limpido erguido para o olhar da irmã:
    • MARIA desculpando-os:
    • MARTHA
    • MARIA com frieza, como a da corrente d'agua que entre os seus dedos vae deslisando:
    • MARTHA
    • MARIA
    • MARTHA
    • CLAUDIA em tom faceto de cortezã affeita ao jogo de gracejos nos triclinios de má nota da velha Roma:
    • MARTHA muito a mêdo:
    • CLAUDIA
    • MARIA por entre dentes:
    • CLAUDIA
    • MARIA fitando-a resoluta, mas serena:
    • CLAUDIA deixando cair as palavras uma a uma, como gôtas de chumbo derretido:
    • MARIA muito vexada pela insultante benevolencia de Claudia:
    • CLAUDIA victoriosa pelo effeito que o perdão causou no animo independente da patriotica filha d'Israel:
    • MARTHA supplicante ao ouvido da irmã, que ia responder:
    • CLAUDIA rindo, satisfeita, feliz:
    • A ESCRAVA GEDA ajudando-a a accomodar-se nas almofadas da liteira:
    • CLAUDIA
    • O CENTURIÃO AMPÍO ao sequito:
    • CLAUDIA
    • MARIA
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ, timido, covarde, circumvagando o olhar:
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM velhacamente, animando-o:
    • JOSUÉ unctuosamente:
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ com desinteresse hypocrita:
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM acceitando-os e juntando-os aos seus:
    • JOSUÉ
    • BENJAMIM
    • JOÃO resfolegando:
    • MATHEUS
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA, com o braço direito sobre o hombro de Eleazar, n'uma intimidade muito amiga:
    • ELEAZAR descrente, mas muito timido, querendo occultar o que lhe vae n'alma:
    • SIMÃO PEDRA
    • ELEAZAR, quasi a medo:
    • SIMÃO PEDRA
    • ELEAZAR, depois de grande hesitação:
    • SIMÃO PEDRA
    • ELEAZAR
    • JOÃO que se erguera, rapido e violento:
    • JUDAS
    • JOÃO muito secco e terminante:
    • ELEAZAR ao ouvido de Simão Pedra:
    • SIMÃO PEDRA triste e confidencial:
    • JUDAS amarga, mas serenamente, depois de ter meditado por algum tempo:
    • MATHEUS conciliadôr:
    • JUDAS
    • MARTHA, assomando a uma das janellas, n'uma risadinha infantil:
    • SIMÃO PEDRA, aproveitando a inconsciente intervenção de Martha
    • MARTHA
    • SIMÃO PEDRA
    • MARTHA intimativamente, retirando-se da janella:
    • JOÃO a Matheus e a Eleazar, continuando a conversa interrompida e n'um tom de voz inaudivel para Judas:
    • SIMÃO PEDRA que se reunira aos tres, carregando o semblante:
    • JOÃO em tom leviano:
    • SIMÃO PEDRA, que não poude reprimir um sobresalto, tornando-se ainda mais severo:
    • ELEAZAR conciliador:
    • MATHEUS detendo Simão Pedra, que ia para entrar em casa do Leproso:
    • JOÃO repêso, meigo, supplicante:
    • SIMÃO PEDRA sorrindo, afinal, benevolo:
    • JOÃO abraçando-o effusivamente:
    • MATHEUS
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA detendo-o e apontando para Judas, que nada ouviu do que se passára:
    • JOÃO com bonhomía:
    • JUDAS olhando lealmente para elle e com um sorriso de reconciliado:
    • JUDAS solta um suspiro, e erguendo o olhar, expandindo a sua alma:
  • SEGUNDA JORNADA
    • EM 9 DE NISAN
    • SEGUNDA JORNADA
      • EM 9 DE NISAN
        • MATHEUS
        • SIMÃO PEDRA
        • SIMÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • SIMÃO
        • MATHEUS que n'um movimento de cabeça concordára e que bebera depois d'aspirar o bom perfume:
        • SIMÃO apresentando outra infusa:
        • SIMÃO PEDRA
        • SIMÃO
        • MATHEUS
        • SIMÃO
        • SIMÃO PEDRA pousando o copo onde o olhar pensativo está fixando:
        • MATHEUS
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO que parecia estranho a tudo, fala emfim, com o olhar cravado em Judas, que continúa lendo:
        • SIMÃO quasi em segredo aos seus dois commensaes:
        • SIMÃO PEDRA tristemente:
        • MATHEUS
        • SIMÃO
        • MATHEUS
        • SIMÃO
        • MATHEUS
        • SIMÃO
        • SIMÃO PEDRA muito confidencial:
        • SIMÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • SIMÃO como assombrado:
        • SIMÃO PEDRA
        • SIMÃO
        • MATHEUS
        • JOÃO tinha voltado, e encostára-se a uma das camilhas, observando sempre Judas. Como não possa conter o que sente em si, aproveita o ensejo de estar a sós com elle para expandir-se. Começa, porem, em tom sereno, como procurando dominar-se:
        • JUDAS
        • JOÃO
        • JUDAS sereno e sempre sentado:
        • JOÃO
        • JUDAS com affectada bonhomía:
        • JOÃO
        • JUDAS
        • JOÃO
        • JUDAS erguendo-se, vagaroso, com o rôlo nas mãos, fingindo indifferença:
        • JOÃO
        • JUDAS
        • JOÃO
        • JUDAS avançando para elle, irrompe finalmente com um rugido abafado, o olhar ameaçador:
        • JOÃO cruza os braços e sereno:
        • JUDAS, que em silencio estivera contorcendo as mãos nervosamente, diz-lhe emfim com muita ironía:
        • JOÃO repêso, olha para elle bondosamente e com um sorriso amigo:
        • JUDAS n'um brusco impulso de independencia:
        • JOÃO ficou meditando, e depois generosamente, como falando á sua propria consciencia:
        • ELEAZAR indicando João aos companheiros:
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO cercado pelos amigos e já esquecido do que se passou, todo o seu pensamento entregue ao Mestre:
        • MATHEUS
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO, animando-se, cheio de puro enthusiasmo messianico:
        • GAMALIEL que pouco antes chegára da cidade, ouviu todo o falar de João. Traz o rosto abatido, o olhar cavo; dir-se-ía portador de uma nova terrivel.
        • TODOS em sobresalto:
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • MATHEUS
        • JOÃO
        • GAMALIEL pausada e custosamente:
        • SIMÃO PEDRA, erguendo as mãos aos ceus:
        • MATHEUS, convulsamente:
        • JOÃO, n'um grito:
        • ELEAZAR agarrando Gamaliel por um pulso:
        • GAMALIEL
        • JOÃO
        • ELEAZAR
        • GAMALIEL
        • JOÃO
        • GAMALIEL, procurando serenar os animos; as lagrimas borbulhando nos olhos e cahindo-lhe pelas barbas brancas:
        • SIMÃO PEDRA tambem resoluto:
        • JOÃO
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR
        • MATHEUS
        • SIMÃO
        • JOÃO
        • MARTHA
        • MARIA, indolente:
        • MARTHA
        • MARIA
        • MARTHA
        • MARIA
        • MARTHA
        • MARIA
        • MARTHA, abeirando-se da irmã, muito meiga:
        • MARIA
        • JUDAS
        • MARTHA muito admirada:
        • JUDAS indolente, recostando-se n'uma das camilhas do triclinio:
        • MARIA
        • JUDAS
        • MARIA, sem o fitar, serena:
        • JUDAS cerrando as palpebras:
        • MARTHA com muita convicção:
        • JUDAS abriu os olhos, fitou-a, e depois, fechando-os de novo:
        • MARTHA surpreza:
        • JUDAS
        • MARTHA abeirando-se d'elle, e pondo-lhe a mão no hombro, diz com uncção, melodiosamente:
        • MARIA, querendo esquivar-se:
        • MARTHA
        • MARIA conserva-se indecisa por algum tempo; mas depois, como respondendo a si propria:
        • JUDAS erguendo o corpo sobre o cotovello:
        • MARIA baixando o olhar:
        • JUDAS ergue-se de chofre e avança como para seguil-a; mas detem-se, perplexo. Depois, desalentado, senta-se n'um dos degraus da porta por onde Maria saíu, a cabeça entre as mãos, os cotovellos fincados nos joelhos. Ao cabo de longo meditar, solta brandamente a sua voz:
        • BENJAMIM com muita humildade:
        • JUDAS voltando-se, rapido, e agarrando-o brutalmente pela nuca:
        • BENJAMIM avergado, mas sempre humilde:
        • JUDAS sem o largar:
        • BENJAMIM amigavelmente, em censura carinhosa:
        • JUDAS largando-lhe a nuca, mas agarrando-lhe logo um braço:
        • BENJAMIM sinceramente:
        • JUDAS como comsigo, satisfeito:
        • BENJAMIM
        • JUDAS, rapido:
        • BENJAMIM explicando:
        • JUDAS ficou hesitante, tendo largado Benjamim, que foi trocar signaes com Josué.
        • BENJAMIM agora senhor de si:
        • JUDAS nervosamente:
        • BENJAMIM imperioso, rapido, monotono, quasi ao ouvido de Judas, que parece devorar-lhe as palavras:
        • JUDAS
        • BENJAMIM
        • JUDAS animado, satisfeito:
        • BENJAMIM
        • JUDAS hesitando, vagamente acobardado:
        • BENJAMIM
        • JUDAS
        • BENJAMIM
        • JUDAS ficou perplexo ainda, como medindo a gravidade da proposta. Mas depois:
        • MARIA que no limiar da porta ficára tambem indecisa:
        • JUDAS
        • MARIA condescendente:
        • JUDAS caricioso:
        • JUDAS
        • MARIA com simplicidade, avançando um pouco:
        • JUDAS tôrvamente:
        • MARIA que não se moveu, serenamente:
        • JUDAS n'um rugido:
        • MARIA sempre immovel:
        • JUDAS com as mãos encrespadas, os labios trementes:
        • MARIA sem se perturbar:
        • JUDAS caíndo em si, fica por momentos silencioso. Depois, com o rosto dolorido, n'um queixume:
        • MARIA com ligeiro movimento de cabeça:
        • JUDAS promptamente transformado, n'um arranco furioso:
        • MARIA com a voz tranquilla:
        • JUDAS interrompendo-a com uma risada feroz:
        • MARIA
        • JUDAS allucinado, avançando para ella:
        • MARIA levando instinctivamente as mãos aos seios:
        • JUDAS com os olhos chammejantes, as mãos trémulas, os passos rigidos, agarrando-a:
        • MARIA evitando-lhe os beijos:
        • JUDAS arrastando-a para o triclinio:
        • MARIA com a voz estrangulada, luctando:
        • JUDAS pondo-lhe a mão na bôca:
        • MARIA já sem forças:
        • JUDAS achegando-a ao peito, lúbrico, antegosando a posse:
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • MATHEUS que n'um movimento de cabeça concordára e que bebera depois d'aspirar o bom perfume:
      • SIMÃO apresentando outra infusa:
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA pousando o copo onde o olhar pensativo está fixando:
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO que parecia estranho a tudo, fala emfim, com o olhar cravado em Judas, que continúa lendo:
      • SIMÃO quasi em segredo aos seus dois commensaes:
      • SIMÃO PEDRA tristemente:
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA muito confidencial:
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO como assombrado:
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • JOÃO tinha voltado, e encostára-se a uma das camilhas, observando sempre Judas. Como não possa conter o que sente em si, aproveita o ensejo de estar a sós com elle para expandir-se. Começa, porem, em tom sereno, como procurando dominar-se:
      • JUDAS
      • JOÃO
      • JUDAS sereno e sempre sentado:
      • JOÃO
      • JUDAS com affectada bonhomía:
      • JOÃO
      • JUDAS
      • JOÃO
      • JUDAS erguendo-se, vagaroso, com o rôlo nas mãos, fingindo indifferença:
      • JOÃO
      • JUDAS
      • JOÃO
      • JUDAS avançando para elle, irrompe finalmente com um rugido abafado, o olhar ameaçador:
      • JOÃO cruza os braços e sereno:
      • JUDAS, que em silencio estivera contorcendo as mãos nervosamente, diz-lhe emfim com muita ironía:
      • JOÃO repêso, olha para elle bondosamente e com um sorriso amigo:
      • JUDAS n'um brusco impulso de independencia:
      • JOÃO ficou meditando, e depois generosamente, como falando á sua propria consciencia:
      • ELEAZAR indicando João aos companheiros:
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO cercado pelos amigos e já esquecido do que se passou, todo o seu pensamento entregue ao Mestre:
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO, animando-se, cheio de puro enthusiasmo messianico:
      • GAMALIEL que pouco antes chegára da cidade, ouviu todo o falar de João. Traz o rosto abatido, o olhar cavo; dir-se-ía portador de uma nova terrivel.
      • TODOS em sobresalto:
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • MATHEUS
      • JOÃO
      • GAMALIEL pausada e custosamente:
      • SIMÃO PEDRA, erguendo as mãos aos ceus:
      • MATHEUS, convulsamente:
      • JOÃO, n'um grito:
      • ELEAZAR agarrando Gamaliel por um pulso:
      • GAMALIEL
      • JOÃO
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • JOÃO
      • GAMALIEL, procurando serenar os animos; as lagrimas borbulhando nos olhos e cahindo-lhe pelas barbas brancas:
      • SIMÃO PEDRA tambem resoluto:
      • JOÃO
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • JOÃO
      • MARTHA
      • MARIA, indolente:
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA, abeirando-se da irmã, muito meiga:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARTHA muito admirada:
      • JUDAS indolente, recostando-se n'uma das camilhas do triclinio:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARIA, sem o fitar, serena:
      • JUDAS cerrando as palpebras:
      • MARTHA com muita convicção:
      • JUDAS abriu os olhos, fitou-a, e depois, fechando-os de novo:
      • MARTHA surpreza:
      • JUDAS
      • MARTHA abeirando-se d'elle, e pondo-lhe a mão no hombro, diz com uncção, melodiosamente:
      • MARIA, querendo esquivar-se:
      • MARTHA
      • MARIA conserva-se indecisa por algum tempo; mas depois, como respondendo a si propria:
      • JUDAS erguendo o corpo sobre o cotovello:
      • MARIA baixando o olhar:
      • JUDAS ergue-se de chofre e avança como para seguil-a; mas detem-se, perplexo. Depois, desalentado, senta-se n'um dos degraus da porta por onde Maria saíu, a cabeça entre as mãos, os cotovellos fincados nos joelhos. Ao cabo de longo meditar, solta brandamente a sua voz:
      • BENJAMIM com muita humildade:
      • JUDAS voltando-se, rapido, e agarrando-o brutalmente pela nuca:
      • BENJAMIM avergado, mas sempre humilde:
      • JUDAS sem o largar:
      • BENJAMIM amigavelmente, em censura carinhosa:
      • JUDAS largando-lhe a nuca, mas agarrando-lhe logo um braço:
      • BENJAMIM sinceramente:
      • JUDAS como comsigo, satisfeito:
      • BENJAMIM
      • JUDAS, rapido:
      • BENJAMIM explicando:
      • JUDAS ficou hesitante, tendo largado Benjamim, que foi trocar signaes com Josué.
      • BENJAMIM agora senhor de si:
      • JUDAS nervosamente:
      • BENJAMIM imperioso, rapido, monotono, quasi ao ouvido de Judas, que parece devorar-lhe as palavras:
      • JUDAS
      • BENJAMIM
      • JUDAS animado, satisfeito:
      • BENJAMIM
      • JUDAS hesitando, vagamente acobardado:
      • BENJAMIM
      • JUDAS
      • BENJAMIM
      • JUDAS ficou perplexo ainda, como medindo a gravidade da proposta. Mas depois:
      • MARIA que no limiar da porta ficára tambem indecisa:
      • JUDAS
      • MARIA condescendente:
      • JUDAS caricioso:
      • JUDAS
      • MARIA com simplicidade, avançando um pouco:
      • JUDAS tôrvamente:
      • MARIA que não se moveu, serenamente:
      • JUDAS n'um rugido:
      • MARIA sempre immovel:
      • JUDAS com as mãos encrespadas, os labios trementes:
      • MARIA sem se perturbar:
      • JUDAS caíndo em si, fica por momentos silencioso. Depois, com o rosto dolorido, n'um queixume:
      • MARIA com ligeiro movimento de cabeça:
      • JUDAS promptamente transformado, n'um arranco furioso:
      • MARIA com a voz tranquilla:
      • JUDAS interrompendo-a com uma risada feroz:
      • MARIA
      • JUDAS allucinado, avançando para ella:
      • MARIA levando instinctivamente as mãos aos seios:
      • JUDAS com os olhos chammejantes, as mãos trémulas, os passos rigidos, agarrando-a:
      • MARIA evitando-lhe os beijos:
      • JUDAS arrastando-a para o triclinio:
      • MARIA com a voz estrangulada, luctando:
      • JUDAS pondo-lhe a mão na bôca:
      • MARIA já sem forças:
      • JUDAS achegando-a ao peito, lúbrico, antegosando a posse:
    • EM 9 DE NISAN
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • MATHEUS que n'um movimento de cabeça concordára e que bebera depois d'aspirar o bom perfume:
      • SIMÃO apresentando outra infusa:
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA pousando o copo onde o olhar pensativo está fixando:
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO que parecia estranho a tudo, fala emfim, com o olhar cravado em Judas, que continúa lendo:
      • SIMÃO quasi em segredo aos seus dois commensaes:
      • SIMÃO PEDRA tristemente:
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA muito confidencial:
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO como assombrado:
      • SIMÃO PEDRA
      • SIMÃO
      • MATHEUS
      • JOÃO tinha voltado, e encostára-se a uma das camilhas, observando sempre Judas. Como não possa conter o que sente em si, aproveita o ensejo de estar a sós com elle para expandir-se. Começa, porem, em tom sereno, como procurando dominar-se:
      • JUDAS
      • JOÃO
      • JUDAS sereno e sempre sentado:
      • JOÃO
      • JUDAS com affectada bonhomía:
      • JOÃO
      • JUDAS
      • JOÃO
      • JUDAS erguendo-se, vagaroso, com o rôlo nas mãos, fingindo indifferença:
      • JOÃO
      • JUDAS
      • JOÃO
      • JUDAS avançando para elle, irrompe finalmente com um rugido abafado, o olhar ameaçador:
      • JOÃO cruza os braços e sereno:
      • JUDAS, que em silencio estivera contorcendo as mãos nervosamente, diz-lhe emfim com muita ironía:
      • JOÃO repêso, olha para elle bondosamente e com um sorriso amigo:
      • JUDAS n'um brusco impulso de independencia:
      • JOÃO ficou meditando, e depois generosamente, como falando á sua propria consciencia:
      • ELEAZAR indicando João aos companheiros:
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO cercado pelos amigos e já esquecido do que se passou, todo o seu pensamento entregue ao Mestre:
      • MATHEUS
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO, animando-se, cheio de puro enthusiasmo messianico:
      • GAMALIEL que pouco antes chegára da cidade, ouviu todo o falar de João. Traz o rosto abatido, o olhar cavo; dir-se-ía portador de uma nova terrivel.
      • TODOS em sobresalto:
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • MATHEUS
      • JOÃO
      • GAMALIEL pausada e custosamente:
      • SIMÃO PEDRA, erguendo as mãos aos ceus:
      • MATHEUS, convulsamente:
      • JOÃO, n'um grito:
      • ELEAZAR agarrando Gamaliel por um pulso:
      • GAMALIEL
      • JOÃO
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • JOÃO
      • GAMALIEL, procurando serenar os animos; as lagrimas borbulhando nos olhos e cahindo-lhe pelas barbas brancas:
      • SIMÃO PEDRA tambem resoluto:
      • JOÃO
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • MATHEUS
      • SIMÃO
      • JOÃO
      • MARTHA
      • MARIA, indolente:
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA, abeirando-se da irmã, muito meiga:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARTHA muito admirada:
      • JUDAS indolente, recostando-se n'uma das camilhas do triclinio:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARIA, sem o fitar, serena:
      • JUDAS cerrando as palpebras:
      • MARTHA com muita convicção:
      • JUDAS abriu os olhos, fitou-a, e depois, fechando-os de novo:
      • MARTHA surpreza:
      • JUDAS
      • MARTHA abeirando-se d'elle, e pondo-lhe a mão no hombro, diz com uncção, melodiosamente:
      • MARIA, querendo esquivar-se:
      • MARTHA
      • MARIA conserva-se indecisa por algum tempo; mas depois, como respondendo a si propria:
      • JUDAS erguendo o corpo sobre o cotovello:
      • MARIA baixando o olhar:
      • JUDAS ergue-se de chofre e avança como para seguil-a; mas detem-se, perplexo. Depois, desalentado, senta-se n'um dos degraus da porta por onde Maria saíu, a cabeça entre as mãos, os cotovellos fincados nos joelhos. Ao cabo de longo meditar, solta brandamente a sua voz:
      • BENJAMIM com muita humildade:
      • JUDAS voltando-se, rapido, e agarrando-o brutalmente pela nuca:
      • BENJAMIM avergado, mas sempre humilde:
      • JUDAS sem o largar:
      • BENJAMIM amigavelmente, em censura carinhosa:
      • JUDAS largando-lhe a nuca, mas agarrando-lhe logo um braço:
      • BENJAMIM sinceramente:
      • JUDAS como comsigo, satisfeito:
      • BENJAMIM
      • JUDAS, rapido:
      • BENJAMIM explicando:
      • JUDAS ficou hesitante, tendo largado Benjamim, que foi trocar signaes com Josué.
      • BENJAMIM agora senhor de si:
      • JUDAS nervosamente:
      • BENJAMIM imperioso, rapido, monotono, quasi ao ouvido de Judas, que parece devorar-lhe as palavras:
      • JUDAS
      • BENJAMIM
      • JUDAS animado, satisfeito:
      • BENJAMIM
      • JUDAS hesitando, vagamente acobardado:
      • BENJAMIM
      • JUDAS
      • BENJAMIM
      • JUDAS ficou perplexo ainda, como medindo a gravidade da proposta. Mas depois:
      • MARIA que no limiar da porta ficára tambem indecisa:
      • JUDAS
      • MARIA condescendente:
      • JUDAS caricioso:
      • JUDAS
      • MARIA com simplicidade, avançando um pouco:
      • JUDAS tôrvamente:
      • MARIA que não se moveu, serenamente:
      • JUDAS n'um rugido:
      • MARIA sempre immovel:
      • JUDAS com as mãos encrespadas, os labios trementes:
      • MARIA sem se perturbar:
      • JUDAS caíndo em si, fica por momentos silencioso. Depois, com o rosto dolorido, n'um queixume:
      • MARIA com ligeiro movimento de cabeça:
      • JUDAS promptamente transformado, n'um arranco furioso:
      • MARIA com a voz tranquilla:
      • JUDAS interrompendo-a com uma risada feroz:
      • MARIA
      • JUDAS allucinado, avançando para ella:
      • MARIA levando instinctivamente as mãos aos seios:
      • JUDAS com os olhos chammejantes, as mãos trémulas, os passos rigidos, agarrando-a:
      • MARIA evitando-lhe os beijos:
      • JUDAS arrastando-a para o triclinio:
      • MARIA com a voz estrangulada, luctando:
      • JUDAS pondo-lhe a mão na bôca:
      • MARIA já sem forças:
      • JUDAS achegando-a ao peito, lúbrico, antegosando a posse:
    • MATHEUS
    • SIMÃO PEDRA
    • SIMÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • SIMÃO
    • MATHEUS que n'um movimento de cabeça concordára e que bebera depois d'aspirar o bom perfume:
    • SIMÃO apresentando outra infusa:
    • SIMÃO PEDRA
    • SIMÃO
    • MATHEUS
    • SIMÃO
    • SIMÃO PEDRA pousando o copo onde o olhar pensativo está fixando:
    • MATHEUS
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO que parecia estranho a tudo, fala emfim, com o olhar cravado em Judas, que continúa lendo:
    • SIMÃO quasi em segredo aos seus dois commensaes:
    • SIMÃO PEDRA tristemente:
    • MATHEUS
    • SIMÃO
    • MATHEUS
    • SIMÃO
    • MATHEUS
    • SIMÃO
    • SIMÃO PEDRA muito confidencial:
    • SIMÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • SIMÃO como assombrado:
    • SIMÃO PEDRA
    • SIMÃO
    • MATHEUS
    • JOÃO tinha voltado, e encostára-se a uma das camilhas, observando sempre Judas. Como não possa conter o que sente em si, aproveita o ensejo de estar a sós com elle para expandir-se. Começa, porem, em tom sereno, como procurando dominar-se:
    • JUDAS
    • JOÃO
    • JUDAS sereno e sempre sentado:
    • JOÃO
    • JUDAS com affectada bonhomía:
    • JOÃO
    • JUDAS
    • JOÃO
    • JUDAS erguendo-se, vagaroso, com o rôlo nas mãos, fingindo indifferença:
    • JOÃO
    • JUDAS
    • JOÃO
    • JUDAS avançando para elle, irrompe finalmente com um rugido abafado, o olhar ameaçador:
    • JOÃO cruza os braços e sereno:
    • JUDAS, que em silencio estivera contorcendo as mãos nervosamente, diz-lhe emfim com muita ironía:
    • JOÃO repêso, olha para elle bondosamente e com um sorriso amigo:
    • JUDAS n'um brusco impulso de independencia:
    • JOÃO ficou meditando, e depois generosamente, como falando á sua propria consciencia:
    • ELEAZAR indicando João aos companheiros:
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO cercado pelos amigos e já esquecido do que se passou, todo o seu pensamento entregue ao Mestre:
    • MATHEUS
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO, animando-se, cheio de puro enthusiasmo messianico:
    • GAMALIEL que pouco antes chegára da cidade, ouviu todo o falar de João. Traz o rosto abatido, o olhar cavo; dir-se-ía portador de uma nova terrivel.
    • TODOS em sobresalto:
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • MATHEUS
    • JOÃO
    • GAMALIEL pausada e custosamente:
    • SIMÃO PEDRA, erguendo as mãos aos ceus:
    • MATHEUS, convulsamente:
    • JOÃO, n'um grito:
    • ELEAZAR agarrando Gamaliel por um pulso:
    • GAMALIEL
    • JOÃO
    • ELEAZAR
    • GAMALIEL
    • JOÃO
    • GAMALIEL, procurando serenar os animos; as lagrimas borbulhando nos olhos e cahindo-lhe pelas barbas brancas:
    • SIMÃO PEDRA tambem resoluto:
    • JOÃO
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR
    • MATHEUS
    • SIMÃO
    • JOÃO
    • MARTHA
    • MARIA, indolente:
    • MARTHA
    • MARIA
    • MARTHA
    • MARIA
    • MARTHA
    • MARIA
    • MARTHA, abeirando-se da irmã, muito meiga:
    • MARIA
    • JUDAS
    • MARTHA muito admirada:
    • JUDAS indolente, recostando-se n'uma das camilhas do triclinio:
    • MARIA
    • JUDAS
    • MARIA, sem o fitar, serena:
    • JUDAS cerrando as palpebras:
    • MARTHA com muita convicção:
    • JUDAS abriu os olhos, fitou-a, e depois, fechando-os de novo:
    • MARTHA surpreza:
    • JUDAS
    • MARTHA abeirando-se d'elle, e pondo-lhe a mão no hombro, diz com uncção, melodiosamente:
    • MARIA, querendo esquivar-se:
    • MARTHA
    • MARIA conserva-se indecisa por algum tempo; mas depois, como respondendo a si propria:
    • JUDAS erguendo o corpo sobre o cotovello:
    • MARIA baixando o olhar:
    • JUDAS ergue-se de chofre e avança como para seguil-a; mas detem-se, perplexo. Depois, desalentado, senta-se n'um dos degraus da porta por onde Maria saíu, a cabeça entre as mãos, os cotovellos fincados nos joelhos. Ao cabo de longo meditar, solta brandamente a sua voz:
    • BENJAMIM com muita humildade:
    • JUDAS voltando-se, rapido, e agarrando-o brutalmente pela nuca:
    • BENJAMIM avergado, mas sempre humilde:
    • JUDAS sem o largar:
    • BENJAMIM amigavelmente, em censura carinhosa:
    • JUDAS largando-lhe a nuca, mas agarrando-lhe logo um braço:
    • BENJAMIM sinceramente:
    • JUDAS como comsigo, satisfeito:
    • BENJAMIM
    • JUDAS, rapido:
    • BENJAMIM explicando:
    • JUDAS ficou hesitante, tendo largado Benjamim, que foi trocar signaes com Josué.
    • BENJAMIM agora senhor de si:
    • JUDAS nervosamente:
    • BENJAMIM imperioso, rapido, monotono, quasi ao ouvido de Judas, que parece devorar-lhe as palavras:
    • JUDAS
    • BENJAMIM
    • JUDAS animado, satisfeito:
    • BENJAMIM
    • JUDAS hesitando, vagamente acobardado:
    • BENJAMIM
    • JUDAS
    • BENJAMIM
    • JUDAS ficou perplexo ainda, como medindo a gravidade da proposta. Mas depois:
    • MARIA que no limiar da porta ficára tambem indecisa:
    • JUDAS
    • MARIA condescendente:
    • JUDAS caricioso:
    • JUDAS
    • MARIA com simplicidade, avançando um pouco:
    • JUDAS tôrvamente:
    • MARIA que não se moveu, serenamente:
    • JUDAS n'um rugido:
    • MARIA sempre immovel:
    • JUDAS com as mãos encrespadas, os labios trementes:
    • MARIA sem se perturbar:
    • JUDAS caíndo em si, fica por momentos silencioso. Depois, com o rosto dolorido, n'um queixume:
    • MARIA com ligeiro movimento de cabeça:
    • JUDAS promptamente transformado, n'um arranco furioso:
    • MARIA com a voz tranquilla:
    • JUDAS interrompendo-a com uma risada feroz:
    • MARIA
    • JUDAS allucinado, avançando para ella:
    • MARIA levando instinctivamente as mãos aos seios:
    • JUDAS com os olhos chammejantes, as mãos trémulas, os passos rigidos, agarrando-a:
    • MARIA evitando-lhe os beijos:
    • JUDAS arrastando-a para o triclinio:
    • MARIA com a voz estrangulada, luctando:
    • JUDAS pondo-lhe a mão na bôca:
    • MARIA já sem forças:
    • JUDAS achegando-a ao peito, lúbrico, antegosando a posse:
  • TERCEIRA JORNADA
    • EM 13 DE NISAN
    • TERCEIRA JORNADA
      • EM 13 DE NISAN
        • CLAUDIA solta emfim um suspiro.
        • GEDA
        • CLAUDIA
        • GEDA vae ligeira ao candalabro; d'elle tira uma vella e dirige-se á clépsydra. Repõe depois no seu logar a vella, e voltando para junto de Claudia:
        • CLAUDIA
        • GEDA
        • CLAUDIA boceja largamente.
        • CLAUDIA indolente, para Geda:
        • PONCIO sem se voltar, continuando a lêr:
        • CLAUDIA em sobresalto infantil:
        • PONCIO
        • CLAUDIA que em silencio ficára appreensiva:
        • PONCIO sem se mover:
        • CLAUDIA apoiando-se nas costas da cadeira por detraz d'elle:
        • PONCIO
        • CLAUDIA não podendo conter a intima revolta:
        • PONCIO enrugando a testa e sem olhar para Claudia:
        • CLAUDIA
        • PONCIO que se voltára, encarando n'ella, e em tom suasorio:
        • CLAUDIA n'uma espansão de franqueza em que o desdem transparece:
        • PONCIO resoluto, imperioso, deixando caír na meza a mão espalmada:
        • CLAUDIA decorridos alguns instantes, refreando a cólera:
        • PONCIO indifferente:
        • CLAUDIA
        • PONCIO
        • CLAUDIA
        • PONCIO
        • CLAUDIA muito a sério:
        • PONCIO bamboleando a perna e sem mudar de expressão:
        • CLAUDIA
        • PONCIO franzindo lévemente o sobr'olho:
        • CLAUDIA sorrindo, palaciana e misteriosa:
        • O OSTIARIO
        • PONCIO erguendo-se:
        • O OSTIARIO
        • PONCIO surprezo, como comsigo:
        • O OSTIARIO
        • PONCIO depois de reflectir:
        • HANAN que se adiantou até á presença de Poncio, curvando-se perante elle:
        • PONCIO que nem para elle olhou, desdenhoso:
        • HANAN fingindo não ter percebido:
        • PONCIO ironico:
        • HANAN
        • PONCIO voltou-se um pouco, lançou um rapido olhar a Judas, e depois, encostando o braço á meza e com a cabeça reclinada na mão:
        • HANAN muito submisso de começo:
        • PONCIO, serenamente, mas deixando accentuado o seu desdem, aquelle desdem dos romanos pelos povos vencidos:
        • HANAN offendido, elevando a voz:
        • PONCIO olhando para elle de fito, severamente:
        • HANAN matreiro:
        • PONCIO sem desviar d'elle o olhar:
        • HANAN muito submisso:
        • PONCIO cortando a harenga, novamente em tom sarcastico:
        • HANAN refreando a cólera:
        • PONCIO
        • HANAN com ironia e falsa humildade:
        • PONCIO fitando-o enfurecido, dá um murro na meza; e erguendo-se:
        • HANAN depois de algum silencio, tentando convencel-o á bôa paz:
        • PONCIO tranquillo, sorrindo:
        • HANAN recuando, como se ouvisse uma heresia:
        • PONCIO com bonhomia, exagerando muito o valor das palavras:
        • HANAN ao ouvido de Judas:
        • JUDAS reservadamente:
        • HANAN
        • JUDAS
        • HANAN muito supplicante a Poncio:
        • PONCIO olhou novamente para Judas, e com enfadada condescendencia:
        • JUDAS avança até á presença de Poncio. Saúdou-o, e muito senhor de si, firme, resoluto, assim começa:
        • PONCIO estremeceu, carregou o semblante:
        • JUDAS com sinceridade hypocrita:
        • PONCIO ergue-se de chofre, com o olhar incendido, trémulo, os braços alevantados. E o seu vulto branco, destacando-se no fundo escuro da vasta quadra, dir-se-ía o d'um espectro de destruição.
        • HANAN detendo-o, supplicante, receioso:
        • PONCIO sem querer ouvil-o:
        • HANAN n'um protesto:
        • JUDAS
        • HANAN matreiramente:
        • JUDAS
        • PONCIO que os ouviu taciturno, balbucia, como falando a si proprio:
        • HANAN
        • PONCIO
        • HANAN radiante de alegria, ao ouvido de Judas:
        • JUDAS soturno:
        • HANAN
        • JUDAS indifferente:
        • O OSTIARIO que appareceu no terraço:
        • PONCIO
        • O OSTIARIO
        • PONCIO
        • HANAN que se curvára muito á passagem de Poncio, murmúra:
        • JUDAS tambem n'um murmurio, quasi inaudivel:
        • GEDA affasta o coxim, trazendo-o para o interior da quadra e faz correr parte do reposteiro que pende do arco.
        • A MULHER adiantando-se como procurando alguem:
        • GEDA admirada e insolente:
        • A MULHER
        • GEDA
        • A MULHER
        • GEDA
        • A MULHER
        • GEDA
        • A MULHER assumindo attitude imperiosa:
        • GEDA dominada pelo tom de voz da desconhecida, colloca o candalabro na meza.
        • MARIA com os olhos erguidos ao ceu, os labios balbuciantes, como n'uma préce:
        • CLAUDIA apparece muito descuidosa, e, ao vel-a, não reprime o seu assombro.
        • MARIA baixou a fronte; e a meia voz:
        • CLAUDIA
        • MARIA
        • CLAUDIA encostando-se á meza, e esmagando Maria com a imponencia da sua figura:
        • MARIA com meiguice:
        • CLAUDIA com uma risada:
        • MARIA docemente:
        • CLAUDIA zombeteira, petulante:
        • MARIA animando-se pouco a pouco:
        • CLAUDIA depois de nova risada:
        • MARIA
        • CLAUDIA revolvendo na ferida o punhal da ironia:
        • MARIA erguendo-se, n'um movimento de indignação:
        • CLAUDIA adormecida, vagamente:
        • MARIA continuando alheiada a tudo:
        • CLAUDIA adormecida, vagamente:
        • MARIA ergue-se vagarosamente; e, resignada:
      • CLAUDIA solta emfim um suspiro.
      • GEDA
      • CLAUDIA
      • GEDA vae ligeira ao candalabro; d'elle tira uma vella e dirige-se á clépsydra. Repõe depois no seu logar a vella, e voltando para junto de Claudia:
      • CLAUDIA
      • GEDA
      • CLAUDIA boceja largamente.
      • CLAUDIA indolente, para Geda:
      • PONCIO sem se voltar, continuando a lêr:
      • CLAUDIA em sobresalto infantil:
      • PONCIO
      • CLAUDIA que em silencio ficára appreensiva:
      • PONCIO sem se mover:
      • CLAUDIA apoiando-se nas costas da cadeira por detraz d'elle:
      • PONCIO
      • CLAUDIA não podendo conter a intima revolta:
      • PONCIO enrugando a testa e sem olhar para Claudia:
      • CLAUDIA
      • PONCIO que se voltára, encarando n'ella, e em tom suasorio:
      • CLAUDIA n'uma espansão de franqueza em que o desdem transparece:
      • PONCIO resoluto, imperioso, deixando caír na meza a mão espalmada:
      • CLAUDIA decorridos alguns instantes, refreando a cólera:
      • PONCIO indifferente:
      • CLAUDIA
      • PONCIO
      • CLAUDIA
      • PONCIO
      • CLAUDIA muito a sério:
      • PONCIO bamboleando a perna e sem mudar de expressão:
      • CLAUDIA
      • PONCIO franzindo lévemente o sobr'olho:
      • CLAUDIA sorrindo, palaciana e misteriosa:
      • O OSTIARIO
      • PONCIO erguendo-se:
      • O OSTIARIO
      • PONCIO surprezo, como comsigo:
      • O OSTIARIO
      • PONCIO depois de reflectir:
      • HANAN que se adiantou até á presença de Poncio, curvando-se perante elle:
      • PONCIO que nem para elle olhou, desdenhoso:
      • HANAN fingindo não ter percebido:
      • PONCIO ironico:
      • HANAN
      • PONCIO voltou-se um pouco, lançou um rapido olhar a Judas, e depois, encostando o braço á meza e com a cabeça reclinada na mão:
      • HANAN muito submisso de começo:
      • PONCIO, serenamente, mas deixando accentuado o seu desdem, aquelle desdem dos romanos pelos povos vencidos:
      • HANAN offendido, elevando a voz:
      • PONCIO olhando para elle de fito, severamente:
      • HANAN matreiro:
      • PONCIO sem desviar d'elle o olhar:
      • HANAN muito submisso:
      • PONCIO cortando a harenga, novamente em tom sarcastico:
      • HANAN refreando a cólera:
      • PONCIO
      • HANAN com ironia e falsa humildade:
      • PONCIO fitando-o enfurecido, dá um murro na meza; e erguendo-se:
      • HANAN depois de algum silencio, tentando convencel-o á bôa paz:
      • PONCIO tranquillo, sorrindo:
      • HANAN recuando, como se ouvisse uma heresia:
      • PONCIO com bonhomia, exagerando muito o valor das palavras:
      • HANAN ao ouvido de Judas:
      • JUDAS reservadamente:
      • HANAN
      • JUDAS
      • HANAN muito supplicante a Poncio:
      • PONCIO olhou novamente para Judas, e com enfadada condescendencia:
      • JUDAS avança até á presença de Poncio. Saúdou-o, e muito senhor de si, firme, resoluto, assim começa:
      • PONCIO estremeceu, carregou o semblante:
      • JUDAS com sinceridade hypocrita:
      • PONCIO ergue-se de chofre, com o olhar incendido, trémulo, os braços alevantados. E o seu vulto branco, destacando-se no fundo escuro da vasta quadra, dir-se-ía o d'um espectro de destruição.
      • HANAN detendo-o, supplicante, receioso:
      • PONCIO sem querer ouvil-o:
      • HANAN n'um protesto:
      • JUDAS
      • HANAN matreiramente:
      • JUDAS
      • PONCIO que os ouviu taciturno, balbucia, como falando a si proprio:
      • HANAN
      • PONCIO
      • HANAN radiante de alegria, ao ouvido de Judas:
      • JUDAS soturno:
      • HANAN
      • JUDAS indifferente:
      • O OSTIARIO que appareceu no terraço:
      • PONCIO
      • O OSTIARIO
      • PONCIO
      • HANAN que se curvára muito á passagem de Poncio, murmúra:
      • JUDAS tambem n'um murmurio, quasi inaudivel:
      • GEDA affasta o coxim, trazendo-o para o interior da quadra e faz correr parte do reposteiro que pende do arco.
      • A MULHER adiantando-se como procurando alguem:
      • GEDA admirada e insolente:
      • A MULHER
      • GEDA
      • A MULHER
      • GEDA
      • A MULHER
      • GEDA
      • A MULHER assumindo attitude imperiosa:
      • GEDA dominada pelo tom de voz da desconhecida, colloca o candalabro na meza.
      • MARIA com os olhos erguidos ao ceu, os labios balbuciantes, como n'uma préce:
      • CLAUDIA apparece muito descuidosa, e, ao vel-a, não reprime o seu assombro.
      • MARIA baixou a fronte; e a meia voz:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • CLAUDIA encostando-se á meza, e esmagando Maria com a imponencia da sua figura:
      • MARIA com meiguice:
      • CLAUDIA com uma risada:
      • MARIA docemente:
      • CLAUDIA zombeteira, petulante:
      • MARIA animando-se pouco a pouco:
      • CLAUDIA depois de nova risada:
      • MARIA
      • CLAUDIA revolvendo na ferida o punhal da ironia:
      • MARIA erguendo-se, n'um movimento de indignação:
      • CLAUDIA adormecida, vagamente:
      • MARIA continuando alheiada a tudo:
      • CLAUDIA adormecida, vagamente:
      • MARIA ergue-se vagarosamente; e, resignada:
    • EM 13 DE NISAN
      • CLAUDIA solta emfim um suspiro.
      • GEDA
      • CLAUDIA
      • GEDA vae ligeira ao candalabro; d'elle tira uma vella e dirige-se á clépsydra. Repõe depois no seu logar a vella, e voltando para junto de Claudia:
      • CLAUDIA
      • GEDA
      • CLAUDIA boceja largamente.
      • CLAUDIA indolente, para Geda:
      • PONCIO sem se voltar, continuando a lêr:
      • CLAUDIA em sobresalto infantil:
      • PONCIO
      • CLAUDIA que em silencio ficára appreensiva:
      • PONCIO sem se mover:
      • CLAUDIA apoiando-se nas costas da cadeira por detraz d'elle:
      • PONCIO
      • CLAUDIA não podendo conter a intima revolta:
      • PONCIO enrugando a testa e sem olhar para Claudia:
      • CLAUDIA
      • PONCIO que se voltára, encarando n'ella, e em tom suasorio:
      • CLAUDIA n'uma espansão de franqueza em que o desdem transparece:
      • PONCIO resoluto, imperioso, deixando caír na meza a mão espalmada:
      • CLAUDIA decorridos alguns instantes, refreando a cólera:
      • PONCIO indifferente:
      • CLAUDIA
      • PONCIO
      • CLAUDIA
      • PONCIO
      • CLAUDIA muito a sério:
      • PONCIO bamboleando a perna e sem mudar de expressão:
      • CLAUDIA
      • PONCIO franzindo lévemente o sobr'olho:
      • CLAUDIA sorrindo, palaciana e misteriosa:
      • O OSTIARIO
      • PONCIO erguendo-se:
      • O OSTIARIO
      • PONCIO surprezo, como comsigo:
      • O OSTIARIO
      • PONCIO depois de reflectir:
      • HANAN que se adiantou até á presença de Poncio, curvando-se perante elle:
      • PONCIO que nem para elle olhou, desdenhoso:
      • HANAN fingindo não ter percebido:
      • PONCIO ironico:
      • HANAN
      • PONCIO voltou-se um pouco, lançou um rapido olhar a Judas, e depois, encostando o braço á meza e com a cabeça reclinada na mão:
      • HANAN muito submisso de começo:
      • PONCIO, serenamente, mas deixando accentuado o seu desdem, aquelle desdem dos romanos pelos povos vencidos:
      • HANAN offendido, elevando a voz:
      • PONCIO olhando para elle de fito, severamente:
      • HANAN matreiro:
      • PONCIO sem desviar d'elle o olhar:
      • HANAN muito submisso:
      • PONCIO cortando a harenga, novamente em tom sarcastico:
      • HANAN refreando a cólera:
      • PONCIO
      • HANAN com ironia e falsa humildade:
      • PONCIO fitando-o enfurecido, dá um murro na meza; e erguendo-se:
      • HANAN depois de algum silencio, tentando convencel-o á bôa paz:
      • PONCIO tranquillo, sorrindo:
      • HANAN recuando, como se ouvisse uma heresia:
      • PONCIO com bonhomia, exagerando muito o valor das palavras:
      • HANAN ao ouvido de Judas:
      • JUDAS reservadamente:
      • HANAN
      • JUDAS
      • HANAN muito supplicante a Poncio:
      • PONCIO olhou novamente para Judas, e com enfadada condescendencia:
      • JUDAS avança até á presença de Poncio. Saúdou-o, e muito senhor de si, firme, resoluto, assim começa:
      • PONCIO estremeceu, carregou o semblante:
      • JUDAS com sinceridade hypocrita:
      • PONCIO ergue-se de chofre, com o olhar incendido, trémulo, os braços alevantados. E o seu vulto branco, destacando-se no fundo escuro da vasta quadra, dir-se-ía o d'um espectro de destruição.
      • HANAN detendo-o, supplicante, receioso:
      • PONCIO sem querer ouvil-o:
      • HANAN n'um protesto:
      • JUDAS
      • HANAN matreiramente:
      • JUDAS
      • PONCIO que os ouviu taciturno, balbucia, como falando a si proprio:
      • HANAN
      • PONCIO
      • HANAN radiante de alegria, ao ouvido de Judas:
      • JUDAS soturno:
      • HANAN
      • JUDAS indifferente:
      • O OSTIARIO que appareceu no terraço:
      • PONCIO
      • O OSTIARIO
      • PONCIO
      • HANAN que se curvára muito á passagem de Poncio, murmúra:
      • JUDAS tambem n'um murmurio, quasi inaudivel:
      • GEDA affasta o coxim, trazendo-o para o interior da quadra e faz correr parte do reposteiro que pende do arco.
      • A MULHER adiantando-se como procurando alguem:
      • GEDA admirada e insolente:
      • A MULHER
      • GEDA
      • A MULHER
      • GEDA
      • A MULHER
      • GEDA
      • A MULHER assumindo attitude imperiosa:
      • GEDA dominada pelo tom de voz da desconhecida, colloca o candalabro na meza.
      • MARIA com os olhos erguidos ao ceu, os labios balbuciantes, como n'uma préce:
      • CLAUDIA apparece muito descuidosa, e, ao vel-a, não reprime o seu assombro.
      • MARIA baixou a fronte; e a meia voz:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • CLAUDIA encostando-se á meza, e esmagando Maria com a imponencia da sua figura:
      • MARIA com meiguice:
      • CLAUDIA com uma risada:
      • MARIA docemente:
      • CLAUDIA zombeteira, petulante:
      • MARIA animando-se pouco a pouco:
      • CLAUDIA depois de nova risada:
      • MARIA
      • CLAUDIA revolvendo na ferida o punhal da ironia:
      • MARIA erguendo-se, n'um movimento de indignação:
      • CLAUDIA adormecida, vagamente:
      • MARIA continuando alheiada a tudo:
      • CLAUDIA adormecida, vagamente:
      • MARIA ergue-se vagarosamente; e, resignada:
    • CLAUDIA solta emfim um suspiro.
    • GEDA
    • CLAUDIA
    • GEDA vae ligeira ao candalabro; d'elle tira uma vella e dirige-se á clépsydra. Repõe depois no seu logar a vella, e voltando para junto de Claudia:
    • CLAUDIA
    • GEDA
    • CLAUDIA boceja largamente.
    • CLAUDIA indolente, para Geda:
    • PONCIO sem se voltar, continuando a lêr:
    • CLAUDIA em sobresalto infantil:
    • PONCIO
    • CLAUDIA que em silencio ficára appreensiva:
    • PONCIO sem se mover:
    • CLAUDIA apoiando-se nas costas da cadeira por detraz d'elle:
    • PONCIO
    • CLAUDIA não podendo conter a intima revolta:
    • PONCIO enrugando a testa e sem olhar para Claudia:
    • CLAUDIA
    • PONCIO que se voltára, encarando n'ella, e em tom suasorio:
    • CLAUDIA n'uma espansão de franqueza em que o desdem transparece:
    • PONCIO resoluto, imperioso, deixando caír na meza a mão espalmada:
    • CLAUDIA decorridos alguns instantes, refreando a cólera:
    • PONCIO indifferente:
    • CLAUDIA
    • PONCIO
    • CLAUDIA
    • PONCIO
    • CLAUDIA muito a sério:
    • PONCIO bamboleando a perna e sem mudar de expressão:
    • CLAUDIA
    • PONCIO franzindo lévemente o sobr'olho:
    • CLAUDIA sorrindo, palaciana e misteriosa:
    • O OSTIARIO
    • PONCIO erguendo-se:
    • O OSTIARIO
    • PONCIO surprezo, como comsigo:
    • O OSTIARIO
    • PONCIO depois de reflectir:
    • HANAN que se adiantou até á presença de Poncio, curvando-se perante elle:
    • PONCIO que nem para elle olhou, desdenhoso:
    • HANAN fingindo não ter percebido:
    • PONCIO ironico:
    • HANAN
    • PONCIO voltou-se um pouco, lançou um rapido olhar a Judas, e depois, encostando o braço á meza e com a cabeça reclinada na mão:
    • HANAN muito submisso de começo:
    • PONCIO, serenamente, mas deixando accentuado o seu desdem, aquelle desdem dos romanos pelos povos vencidos:
    • HANAN offendido, elevando a voz:
    • PONCIO olhando para elle de fito, severamente:
    • HANAN matreiro:
    • PONCIO sem desviar d'elle o olhar:
    • HANAN muito submisso:
    • PONCIO cortando a harenga, novamente em tom sarcastico:
    • HANAN refreando a cólera:
    • PONCIO
    • HANAN com ironia e falsa humildade:
    • PONCIO fitando-o enfurecido, dá um murro na meza; e erguendo-se:
    • HANAN depois de algum silencio, tentando convencel-o á bôa paz:
    • PONCIO tranquillo, sorrindo:
    • HANAN recuando, como se ouvisse uma heresia:
    • PONCIO com bonhomia, exagerando muito o valor das palavras:
    • HANAN ao ouvido de Judas:
    • JUDAS reservadamente:
    • HANAN
    • JUDAS
    • HANAN muito supplicante a Poncio:
    • PONCIO olhou novamente para Judas, e com enfadada condescendencia:
    • JUDAS avança até á presença de Poncio. Saúdou-o, e muito senhor de si, firme, resoluto, assim começa:
    • PONCIO estremeceu, carregou o semblante:
    • JUDAS com sinceridade hypocrita:
    • PONCIO ergue-se de chofre, com o olhar incendido, trémulo, os braços alevantados. E o seu vulto branco, destacando-se no fundo escuro da vasta quadra, dir-se-ía o d'um espectro de destruição.
    • HANAN detendo-o, supplicante, receioso:
    • PONCIO sem querer ouvil-o:
    • HANAN n'um protesto:
    • JUDAS
    • HANAN matreiramente:
    • JUDAS
    • PONCIO que os ouviu taciturno, balbucia, como falando a si proprio:
    • HANAN
    • PONCIO
    • HANAN radiante de alegria, ao ouvido de Judas:
    • JUDAS soturno:
    • HANAN
    • JUDAS indifferente:
    • O OSTIARIO que appareceu no terraço:
    • PONCIO
    • O OSTIARIO
    • PONCIO
    • HANAN que se curvára muito á passagem de Poncio, murmúra:
    • JUDAS tambem n'um murmurio, quasi inaudivel:
    • GEDA affasta o coxim, trazendo-o para o interior da quadra e faz correr parte do reposteiro que pende do arco.
    • A MULHER adiantando-se como procurando alguem:
    • GEDA admirada e insolente:
    • A MULHER
    • GEDA
    • A MULHER
    • GEDA
    • A MULHER
    • GEDA
    • A MULHER assumindo attitude imperiosa:
    • GEDA dominada pelo tom de voz da desconhecida, colloca o candalabro na meza.
    • MARIA com os olhos erguidos ao ceu, os labios balbuciantes, como n'uma préce:
    • CLAUDIA apparece muito descuidosa, e, ao vel-a, não reprime o seu assombro.
    • MARIA baixou a fronte; e a meia voz:
    • CLAUDIA
    • MARIA
    • CLAUDIA encostando-se á meza, e esmagando Maria com a imponencia da sua figura:
    • MARIA com meiguice:
    • CLAUDIA com uma risada:
    • MARIA docemente:
    • CLAUDIA zombeteira, petulante:
    • MARIA animando-se pouco a pouco:
    • CLAUDIA depois de nova risada:
    • MARIA
    • CLAUDIA revolvendo na ferida o punhal da ironia:
    • MARIA erguendo-se, n'um movimento de indignação:
    • CLAUDIA adormecida, vagamente:
    • MARIA continuando alheiada a tudo:
    • CLAUDIA adormecida, vagamente:
    • MARIA ergue-se vagarosamente; e, resignada:
  • QUARTA JORNADA
    • EM 15 DE NISAN
      • QUARTA JORNADA
      • EM 15 DE NISAN
        • AMPÍO, tocando com o pé no corpo de um dos que dormem:
        • LAUSO accordando:
        • FÁBIO, erguendo-se logo; voz de homem dado ao alcool e praguento:
        • LAUSO erguendo-se:
        • AMPÍO
        • FÁBIO
        • AMPÍO
        • LAUSO
        • FÁBIO rindo:
        • UM MERCADOR em tom submisso:
        • AMPÍO
        • O MERCADOR
        • AMPÍO
        • O MERCADOR por entre dentes:
        • FÁBIO com uma risada alvar:
        • O MERCADOR muito seccamente:
        • JUDAS, que permaneceu por longo tempo com o olhar erguido para o ceu, a voz muito enfraquecida:
        • MARIA com o braço pela cintura de Martha, e a voz muito suave e muito resignada:
        • MARTHA
        • MARIA
        • MARTHA
        • MARIA
        • MARTHA
        • CLAUDIA chegando junto de Maria e Martha, cujos rostos se conservam occultos, pára; e depois, poisando a mão no hombro de Maria, diz com voz muito meiga:
        • MARIA que se voltou, reconhecendo-a e baixinho á irmã:
        • MARTHA receiosa:
        • CLAUDIA
        • MARTHA ao ouvido de Maria:
        • CLAUDIA
        • MARIA absôrta:
        • CLAUDIA
        • MARIA
        • CLAUDIA
        • MARIA baixinho á irmã:
        • CLAUDIA
        • MARIA espansiva:
        • CLAUDIA
        • MARIA
        • CLAUDIA
        • MARIA animando-se:
        • CLAUDIA suspeitosa:
        • MARIA
        • CLAUDIA
        • MARIA caíndo de joelhos e beijando-lhe as mãos:
        • CLAUDIA com a voz cheia de bondade, obrigando Maria a erguer-se e abraçando-a:
        • SIMÃO PEDRA que viera junto de João:
        • ELEAZAR
        • SIMÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • JOÃO que ficára immovel olhando para a muralha da cidade:
        • GAMALIEL encostado ao bordão, a meia voz, rancoroso:
        • JOÃO irrompendo:
        • SIMÃO PEDRA
        • GAMALIEL por entre dentes:
        • JOÃO desalentado:
        • GAMALIEL avançando para elle nervosamente:
        • JOÃO desanimado:
        • GAMALIEL animando-se e animando-o:
        • SIMÃO PEDRA
        • ELEAZAR
        • GAMALIEL
        • JOÃO erguendo-se:
        • GAMALIEL
        • SIMÃO PEDRA
        • GAMALIEL
        • JOÃO com o olhar brilhante:
        • SIMÃO PEDRA tambem receioso:
        • GAMALIEL
        • JOÃO n'um sobresalto:
        • ELEAZAR abraçando-se n'elle, espansivo:
        • SIMÃO incitando-o:
        • SIMÃO PEDRA secundando já agora Gamaliel:
        • JOÃO indeciso:
        • GAMALIEL
        • ELEAZAR
        • SIMÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • GAMALIEL
        • JOÃO
        • SIMÃO PEDRA
        • GAMALIEL agarrando João por um braço:
        • ELEAZAR
        • SIMÃO PEDRA
        • GAMALIEL querendo arrastal-o comsigo:
        • JOÃO n'uma grande espansão:
        • GAMALIEL em doida alegria:
        • JOÃO cheio de ardente enthusiasmo messianico:
        • GAMALIEL como n'um grito de rebelião, avançando para a cidade:
        • JOÃO vibrantemente:
        • GAMALIEL bradando:
        • JUDAS com desdem:
        • MARIA parando tambem:
        • JUDAS, desvairado:
        • MARIA, reposta da primeira impressão, serenamente:
        • JUDAS
        • MARIA
        • JUDAS impedindo-lhe a passagem:
        • MARIA
        • JUDAS
        • MARIA muito calma:
        • JUDAS rindo febril:
        • MARIA
        • JUDAS rindo:
        • MARIA
        • JUDAS de subito receioso:
        • MARIA
        • JUDAS
        • MARIA, dogmatica:
        • JUDAS acobardado:
        • MARIA em tom profetico:
        • JUDAS tomado de vago terror:
        • MARIA animando-se:
        • JUDAS trémulo:
        • MARIA terrivelmente:
        • JUDAS caminhando d'um para outro lado, desvairado:
        • MARIA perseguindo-o:
        • JUDAS tentando occultar o rosto:
        • MARIA erguendo o braço:
        • JUDAS que seguira com o olhar o movimento de Maria, fixa-o na muralha, e apontando tambem, trémulo, allucinado:
        • MARIA mais compadecida agora, mas com a voz repassada de austeridade:
        • JUDAS erguendo a cabeça e como acordado pela impressão que no seu espirito deixaram as ultimas palavras de Maria:
        • JOÃO solta a sua voz inspirada de orador apocalyptico, de gesto amplo e vigoroso, emquanto muito ao longe os canticos proseguem:
      • AMPÍO, tocando com o pé no corpo de um dos que dormem:
      • LAUSO accordando:
      • FÁBIO, erguendo-se logo; voz de homem dado ao alcool e praguento:
      • LAUSO erguendo-se:
      • AMPÍO
      • FÁBIO
      • AMPÍO
      • LAUSO
      • FÁBIO rindo:
      • UM MERCADOR em tom submisso:
      • AMPÍO
      • O MERCADOR
      • AMPÍO
      • O MERCADOR por entre dentes:
      • FÁBIO com uma risada alvar:
      • O MERCADOR muito seccamente:
      • JUDAS, que permaneceu por longo tempo com o olhar erguido para o ceu, a voz muito enfraquecida:
      • MARIA com o braço pela cintura de Martha, e a voz muito suave e muito resignada:
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • CLAUDIA chegando junto de Maria e Martha, cujos rostos se conservam occultos, pára; e depois, poisando a mão no hombro de Maria, diz com voz muito meiga:
      • MARIA que se voltou, reconhecendo-a e baixinho á irmã:
      • MARTHA receiosa:
      • CLAUDIA
      • MARTHA ao ouvido de Maria:
      • CLAUDIA
      • MARIA absôrta:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • CLAUDIA
      • MARIA baixinho á irmã:
      • CLAUDIA
      • MARIA espansiva:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • CLAUDIA
      • MARIA animando-se:
      • CLAUDIA suspeitosa:
      • MARIA
      • CLAUDIA
      • MARIA caíndo de joelhos e beijando-lhe as mãos:
      • CLAUDIA com a voz cheia de bondade, obrigando Maria a erguer-se e abraçando-a:
      • SIMÃO PEDRA que viera junto de João:
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO que ficára immovel olhando para a muralha da cidade:
      • GAMALIEL encostado ao bordão, a meia voz, rancoroso:
      • JOÃO irrompendo:
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL por entre dentes:
      • JOÃO desalentado:
      • GAMALIEL avançando para elle nervosamente:
      • JOÃO desanimado:
      • GAMALIEL animando-se e animando-o:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • JOÃO erguendo-se:
      • GAMALIEL
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL
      • JOÃO com o olhar brilhante:
      • SIMÃO PEDRA tambem receioso:
      • GAMALIEL
      • JOÃO n'um sobresalto:
      • ELEAZAR abraçando-se n'elle, espansivo:
      • SIMÃO incitando-o:
      • SIMÃO PEDRA secundando já agora Gamaliel:
      • JOÃO indeciso:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL agarrando João por um braço:
      • ELEAZAR
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL querendo arrastal-o comsigo:
      • JOÃO n'uma grande espansão:
      • GAMALIEL em doida alegria:
      • JOÃO cheio de ardente enthusiasmo messianico:
      • GAMALIEL como n'um grito de rebelião, avançando para a cidade:
      • JOÃO vibrantemente:
      • GAMALIEL bradando:
      • JUDAS com desdem:
      • MARIA parando tambem:
      • JUDAS, desvairado:
      • MARIA, reposta da primeira impressão, serenamente:
      • JUDAS
      • MARIA
      • JUDAS impedindo-lhe a passagem:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARIA muito calma:
      • JUDAS rindo febril:
      • MARIA
      • JUDAS rindo:
      • MARIA
      • JUDAS de subito receioso:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARIA, dogmatica:
      • JUDAS acobardado:
      • MARIA em tom profetico:
      • JUDAS tomado de vago terror:
      • MARIA animando-se:
      • JUDAS trémulo:
      • MARIA terrivelmente:
      • JUDAS caminhando d'um para outro lado, desvairado:
      • MARIA perseguindo-o:
      • JUDAS tentando occultar o rosto:
      • MARIA erguendo o braço:
      • JUDAS que seguira com o olhar o movimento de Maria, fixa-o na muralha, e apontando tambem, trémulo, allucinado:
      • MARIA mais compadecida agora, mas com a voz repassada de austeridade:
      • JUDAS erguendo a cabeça e como acordado pela impressão que no seu espirito deixaram as ultimas palavras de Maria:
      • JOÃO solta a sua voz inspirada de orador apocalyptico, de gesto amplo e vigoroso, emquanto muito ao longe os canticos proseguem:
    • QUARTA JORNADA
    • EM 15 DE NISAN
      • AMPÍO, tocando com o pé no corpo de um dos que dormem:
      • LAUSO accordando:
      • FÁBIO, erguendo-se logo; voz de homem dado ao alcool e praguento:
      • LAUSO erguendo-se:
      • AMPÍO
      • FÁBIO
      • AMPÍO
      • LAUSO
      • FÁBIO rindo:
      • UM MERCADOR em tom submisso:
      • AMPÍO
      • O MERCADOR
      • AMPÍO
      • O MERCADOR por entre dentes:
      • FÁBIO com uma risada alvar:
      • O MERCADOR muito seccamente:
      • JUDAS, que permaneceu por longo tempo com o olhar erguido para o ceu, a voz muito enfraquecida:
      • MARIA com o braço pela cintura de Martha, e a voz muito suave e muito resignada:
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • MARIA
      • MARTHA
      • CLAUDIA chegando junto de Maria e Martha, cujos rostos se conservam occultos, pára; e depois, poisando a mão no hombro de Maria, diz com voz muito meiga:
      • MARIA que se voltou, reconhecendo-a e baixinho á irmã:
      • MARTHA receiosa:
      • CLAUDIA
      • MARTHA ao ouvido de Maria:
      • CLAUDIA
      • MARIA absôrta:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • CLAUDIA
      • MARIA baixinho á irmã:
      • CLAUDIA
      • MARIA espansiva:
      • CLAUDIA
      • MARIA
      • CLAUDIA
      • MARIA animando-se:
      • CLAUDIA suspeitosa:
      • MARIA
      • CLAUDIA
      • MARIA caíndo de joelhos e beijando-lhe as mãos:
      • CLAUDIA com a voz cheia de bondade, obrigando Maria a erguer-se e abraçando-a:
      • SIMÃO PEDRA que viera junto de João:
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • JOÃO que ficára immovel olhando para a muralha da cidade:
      • GAMALIEL encostado ao bordão, a meia voz, rancoroso:
      • JOÃO irrompendo:
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL por entre dentes:
      • JOÃO desalentado:
      • GAMALIEL avançando para elle nervosamente:
      • JOÃO desanimado:
      • GAMALIEL animando-se e animando-o:
      • SIMÃO PEDRA
      • ELEAZAR
      • GAMALIEL
      • JOÃO erguendo-se:
      • GAMALIEL
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL
      • JOÃO com o olhar brilhante:
      • SIMÃO PEDRA tambem receioso:
      • GAMALIEL
      • JOÃO n'um sobresalto:
      • ELEAZAR abraçando-se n'elle, espansivo:
      • SIMÃO incitando-o:
      • SIMÃO PEDRA secundando já agora Gamaliel:
      • JOÃO indeciso:
      • GAMALIEL
      • ELEAZAR
      • SIMÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL
      • JOÃO
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL agarrando João por um braço:
      • ELEAZAR
      • SIMÃO PEDRA
      • GAMALIEL querendo arrastal-o comsigo:
      • JOÃO n'uma grande espansão:
      • GAMALIEL em doida alegria:
      • JOÃO cheio de ardente enthusiasmo messianico:
      • GAMALIEL como n'um grito de rebelião, avançando para a cidade:
      • JOÃO vibrantemente:
      • GAMALIEL bradando:
      • JUDAS com desdem:
      • MARIA parando tambem:
      • JUDAS, desvairado:
      • MARIA, reposta da primeira impressão, serenamente:
      • JUDAS
      • MARIA
      • JUDAS impedindo-lhe a passagem:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARIA muito calma:
      • JUDAS rindo febril:
      • MARIA
      • JUDAS rindo:
      • MARIA
      • JUDAS de subito receioso:
      • MARIA
      • JUDAS
      • MARIA, dogmatica:
      • JUDAS acobardado:
      • MARIA em tom profetico:
      • JUDAS tomado de vago terror:
      • MARIA animando-se:
      • JUDAS trémulo:
      • MARIA terrivelmente:
      • JUDAS caminhando d'um para outro lado, desvairado:
      • MARIA perseguindo-o:
      • JUDAS tentando occultar o rosto:
      • MARIA erguendo o braço:
      • JUDAS que seguira com o olhar o movimento de Maria, fixa-o na muralha, e apontando tambem, trémulo, allucinado:
      • MARIA mais compadecida agora, mas com a voz repassada de austeridade:
      • JUDAS erguendo a cabeça e como acordado pela impressão que no seu espirito deixaram as ultimas palavras de Maria:
      • JOÃO solta a sua voz inspirada de orador apocalyptico, de gesto amplo e vigoroso, emquanto muito ao longe os canticos proseguem:
    • AMPÍO, tocando com o pé no corpo de um dos que dormem:
    • LAUSO accordando:
    • FÁBIO, erguendo-se logo; voz de homem dado ao alcool e praguento:
    • LAUSO erguendo-se:
    • AMPÍO
    • FÁBIO
    • AMPÍO
    • LAUSO
    • FÁBIO rindo:
    • UM MERCADOR em tom submisso:
    • AMPÍO
    • O MERCADOR
    • AMPÍO
    • O MERCADOR por entre dentes:
    • FÁBIO com uma risada alvar:
    • O MERCADOR muito seccamente:
    • JUDAS, que permaneceu por longo tempo com o olhar erguido para o ceu, a voz muito enfraquecida:
    • MARIA com o braço pela cintura de Martha, e a voz muito suave e muito resignada:
    • MARTHA
    • MARIA
    • MARTHA
    • MARIA
    • MARTHA
    • CLAUDIA chegando junto de Maria e Martha, cujos rostos se conservam occultos, pára; e depois, poisando a mão no hombro de Maria, diz com voz muito meiga:
    • MARIA que se voltou, reconhecendo-a e baixinho á irmã:
    • MARTHA receiosa:
    • CLAUDIA
    • MARTHA ao ouvido de Maria:
    • CLAUDIA
    • MARIA absôrta:
    • CLAUDIA
    • MARIA
    • CLAUDIA
    • MARIA baixinho á irmã:
    • CLAUDIA
    • MARIA espansiva:
    • CLAUDIA
    • MARIA
    • CLAUDIA
    • MARIA animando-se:
    • CLAUDIA suspeitosa:
    • MARIA
    • CLAUDIA
    • MARIA caíndo de joelhos e beijando-lhe as mãos:
    • CLAUDIA com a voz cheia de bondade, obrigando Maria a erguer-se e abraçando-a:
    • SIMÃO PEDRA que viera junto de João:
    • ELEAZAR
    • SIMÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • JOÃO que ficára immovel olhando para a muralha da cidade:
    • GAMALIEL encostado ao bordão, a meia voz, rancoroso:
    • JOÃO irrompendo:
    • SIMÃO PEDRA
    • GAMALIEL por entre dentes:
    • JOÃO desalentado:
    • GAMALIEL avançando para elle nervosamente:
    • JOÃO desanimado:
    • GAMALIEL animando-se e animando-o:
    • SIMÃO PEDRA
    • ELEAZAR
    • GAMALIEL
    • JOÃO erguendo-se:
    • GAMALIEL
    • SIMÃO PEDRA
    • GAMALIEL
    • JOÃO com o olhar brilhante:
    • SIMÃO PEDRA tambem receioso:
    • GAMALIEL
    • JOÃO n'um sobresalto:
    • ELEAZAR abraçando-se n'elle, espansivo:
    • SIMÃO incitando-o:
    • SIMÃO PEDRA secundando já agora Gamaliel:
    • JOÃO indeciso:
    • GAMALIEL
    • ELEAZAR
    • SIMÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • GAMALIEL
    • JOÃO
    • SIMÃO PEDRA
    • GAMALIEL agarrando João por um braço:
    • ELEAZAR
    • SIMÃO PEDRA
    • GAMALIEL querendo arrastal-o comsigo:
    • JOÃO n'uma grande espansão:
    • GAMALIEL em doida alegria:
    • JOÃO cheio de ardente enthusiasmo messianico:
    • GAMALIEL como n'um grito de rebelião, avançando para a cidade:
    • JOÃO vibrantemente:
    • GAMALIEL bradando:
    • JUDAS com desdem:
    • MARIA parando tambem:
    • JUDAS, desvairado:
    • MARIA, reposta da primeira impressão, serenamente:
    • JUDAS
    • MARIA
    • JUDAS impedindo-lhe a passagem:
    • MARIA
    • JUDAS
    • MARIA muito calma:
    • JUDAS rindo febril:
    • MARIA
    • JUDAS rindo:
    • MARIA
    • JUDAS de subito receioso:
    • MARIA
    • JUDAS
    • MARIA, dogmatica:
    • JUDAS acobardado:
    • MARIA em tom profetico:
    • JUDAS tomado de vago terror:
    • MARIA animando-se:
    • JUDAS trémulo:
    • MARIA terrivelmente:
    • JUDAS caminhando d'um para outro lado, desvairado:
    • MARIA perseguindo-o:
    • JUDAS tentando occultar o rosto:
    • MARIA erguendo o braço:
    • JUDAS que seguira com o olhar o movimento de Maria, fixa-o na muralha, e apontando tambem, trémulo, allucinado:
    • MARIA mais compadecida agora, mas com a voz repassada de austeridade:
    • JUDAS erguendo a cabeça e como acordado pela impressão que no seu espirito deixaram as ultimas palavras de Maria:
    • JOÃO solta a sua voz inspirada de orador apocalyptico, de gesto amplo e vigoroso, emquanto muito ao longe os canticos proseguem:
The book hasn't received reviews yet.
You May Also Like
Also Available On
Categories
Curated Lists